PF apreende helicóptero de R$ 4 milhões e carros de luxo em ação contra tráfico de drogas em SP

Operação "Flying Low" foi deflagrada em Presidente Prudente e na capital paulista. Cocaína era transportada em aeronave apreendida em canavial. Dois suspeitos foram presos e 500 kg de droga apreendidos.

A Polícia Federal (PF) apreendeu um helicóptero avaliado em R$ 4 milhões e carros de luxo neste sábado (13) durante operação de combate ao tráfico de drogas no estado de São Paulo. Também foram apreendidos quase 500 kg de cocaína. Dois suspeitos foram presos e outros dois são procurados.

A aeronave estava numa canavial em Presidente Prudente, no interior. Os veículos estavam na capital.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da PF informou que a operação Flying Low foi deflagrada nesta manhã com o objetivo de combater organização criminosa envolvida com tráfico ilícito de entorpecente, realizado por meio aéreo. As investigações duraram cerca de um ano.

A cocaína era transportada num helicóptero. A organização criminosa buscava a droga no Paraguai e a levava para o estado de São Paulo. Pelo fato da aeronave, avaliada aproximadamente em R$ 4 milhões, não ter autonomia para o percurso todo, fazia uma parada para reabastecimento em matagal ermo localizado na região de Presidente Prudente, local em que os traficantes foram abordados pelos federais.

Até o momento duas pessoas foram presas, sendo que as ações continuam no local, com o apoio da Polícia Militar (PM).

Vinte policiais federias participaram do trabalho, contando com o apoio aéreo do Comando de Aviação Operacional da PF (CAOP ) e da PM.

Também foram apreendidos arma, veículos e dinheiro em espécie. Diligências continuam para desarticulação da organização criminosa.

O nome da operação é traduzido do Inglês como “voando baixo” e refere-se ao modo como era feito o deslocamento aéreo.

Helicóptero que transportava cocaína é apreendido em canavial em Presidente Prudente, interior paulista — Foto: Divulgação/PF-SP

Matéria atualizada para acréscimo de informações.

COMENTARIOS